Thursday, June 14, 2007

Design Patterns, refactoring, and a FARG class library

This post is the first of a series intended to develop basic technology for FARG architectures. It will be part of a PhD seminar held at FGV (more info below, sorry: in portuguese). There are two objectives involved in this course: first, to create a running application that models human intuitive information processing during simple tasks. This model should directly contradict an important assumption of current literature in Cognitive Science.

The second objective is to develop basic technology. To create a class library to enable different architectures to approach different problems. While we do have megalomaniac ambitions for future web applications, let's leave that aside for the time being and use the blog to brainstorm how FARG should be implemented, in an elegant, natural way, which should follow the open closed principle: A library is open for extension, and closed for modification.

For those involved in the course, the tag will be fluid concepts, so all posts can be obtained here.

And here's the outline of the course (in portuguese only).

=====================================================
Modelagem cognitiva computacional da intuição humana

Em 1998, Ron Suki King, um campeão mundial do jogo de damas, disputou simultaneamente contra 385 oponentes . Um cálculo simples mostra que, se King usou, em média 2 segundos por movimento, cada um de seus oponentes dispôs, em média, de 12 minutos e 30 segundos para responder. King venceu todos seus oponentes. Mesmo com a enorme vantagem de tempo, nenhum dos oponentes de King conseguiu derrotar a resposta imediata, intuitiva, de King. A intuição humana é capaz de julgamentos incrivelmente precisos em míseras frações de segundo.

Em Junho de 2001, o Presidente George W. Bush conheceu Vladimir Putin. Na ocasião, Bush declarou que havia "olhado nos olhos do homem... e pôde ter uma idéia de sua alma" [*]. Bush concluiu, e afirmou publicamente, que Putin era um "homem confiável". Putin, entretanto, possui notoriedade como um espião da antiga KGB, e foi, durante toda sua carreira, rigorosamente treinado para mentir e esconder suas reais intenções--ironicamente, dos americanos em especial. O julgamento de Bush foi errôneo, e a relação entre os respectivos países deteriorou-se intensamente ao longo dos anos. A intuição humana também é capaz de levar a julgamentos e decisões errôneas.

Como formamos julgamentos intuitivos? Como estes julgamentos interferem com a intuição humana, e afetam nossas decisões, nos mais diferentes níveis?

Neste curso vamos explorar estas duas questões via a modelagem cognintiva computacional. O objetivo do curso é desenvolver modelos computacionais, na linguagem JAVA (ou alternativamente, em OOPascal), que expliquem viéses e capacidades intuitivas. O objetivo final da disciplina é gerar modelos científicos publicáveis em periódicos internacionais, como Management Science, Decision Sciences, ou Judgment & Decision-Making. As referências-chave da disciplina são:

[1] Kahneman, D (2003) Maps of bounded rationality. Nobel Lecture; published in American Economic Review, and in American Psychologist.

[2] Hofstadter, D (1995) Fluid Concept and Creative Analogies, Basic Books, New York.

[3] Linhares, A., e Brum, P. (2007) Understanding our understanding of strategic scenarios. Aceito para publicação, Cognitive Science.

[4] Artigos selecionados dos periódicos Management Science, Judgement and Decision-Making, Decision Sciences, Decision Analysis, Cognitive Science, Cognition, e Cognitive Systems Research.

[5] Teses de doutorado selecionadas.

PRÉ-REQUISITO: Linguagem de programação JAVA: Orientação a objetos, refactoring, design patterns.


(*) President Bush "looked the man in the eye ... and was able to get a sense of his soul". (US NEWS & WORLD REPORT; http://www.usnews.com/usnews/news/articles/060709/17bush.htm)
=======================================================

1 comments:

Matt said...

Um curso destes eu queria muito seguir, mas não tenho tempo; preciso de escrever tantas coisas sobre a literatura, e tambèm estou em Bloomington, não no Rio.

(Alex: will you be coming to Bloomington this summer? Helga said maybe.)